News

Alterações climáticas: segundo alerta da comunidade científica à humanidade

15/11/2017. Texto de Marta Daniela Santos.

Vinte e cinco anos depois, a comunidade científica faz um segundo alerta sobre os danos irreversíveis que estão a ser causados à Terra pela atividade humana, num artigo agora publicado na revista BioScience assinado por mais de 15 mil cientistas de todo o mundo – entre os quais, vários cientistas do cE3c. A extinção acelerada de espécies, o aumento das emissões de dióxido de carbono ou a destruição de habitats são alguns dos muitos danos que causam preocupação e exigem uma ação urgente, antes que seja demasiado tarde.

O artigo publicado esta segunda-feira na revista BioScience, intitulado “World Scientists’ Warning to Humanity: A Second Notice”, é assinado por cerca de 15 mil cientistas de 184 países – entre os quais mais de 200 cientistas portugueses, vários dos quais do cE3c. Os dados não deixam margem para dúvidas: continuamos a destruir a Terra, vinte e cinco anos após o primeiro alerta deste género feito pela comunidade científica.

“Necessitamos de uma grande mudança na nossa gestão da Terra e da vida que nela existe, se quisermos evitar a grande miséria humana”: assim se lê naquele que foi o primeiro alerta, um artigo publicado em 1992 na revista da organização Union of Concerned Scientists assinado por mais de 1700 cientistas. Neste artigo, os cientistas manifestavam preocupação sobre os atuais e potenciais danos causados à Terra pela atividade humana, apresentando dados sobre o tamanho da camada de ozono, a destruição da biodiversidade, as alterações climáticas e o crescimento da população humana, entre outros.

O artigo agora publicado, elaborado por uma equipa internacional, mostra a evolução nos vinte e cinco anos que separam estes dois alertas: com exceção do sucesso na redução da camada de ozono, todos os outros desafios ambientais se agravaram. Reunindo dados de agências governamentais, organizações sem fins lucrativos e investigadores, o artigo evidencia a extinção acelerada de espécies, o agravamento da desflorestação, o aumento das emissões de dióxido de carbono, entre outros danos, a par do rápido crescimento da população mundial.

É urgente tomar medidas que reduzam estas tendências alarmantes – antes que seja tarde demais. “Devemos reconhecer, no nosso dia-a-dia e nas nossas instituições governantes, que a Terra com toda a vida que alberga é a nossa única casa”, conclui o artigo.

 

Relacionado:

“Estamos a destruir a natureza e os ecossistemas e é a natureza que nos suporta e oferece recursos”: Cristina Branquinho (cE3c) em entrevista ao jornal Expresso

Other Articles

  • Biologia e Geologia: como os líquenes permitem data superfícies rochosas

    Paper Biologia e Geologia: como os líquenes permitem data superfícies rochosas

  • Distanciamento social face à COVID-19 pode constituir uma faca de dois gumes para microbioma humano

    Paper Distanciamento social face à COVID-19 pode constituir uma faca de dois gumes para microbioma humano

  • Estudo explora relação entre vinculação entre mães e filhos e a toma de antibióticos na infância

    Paper Estudo explora relação entre vinculação entre mães e filhos e a toma de antibióticos na infância

  • Foram registados pela primeira vez sons produzidos por peixes no monte submarino Condor, nos Açores

    Paper Foram registados pela primeira vez sons produzidos por peixes no monte submarino Condor, nos Açores

  • Carros como ferramenta para monitorizar e proteger a biodiversidade

    Paper Carros como ferramenta para monitorizar e proteger a biodiversidade