News

Impacto dos incêndios florestais no abastecimento de água na Austrália: investigação do cE3c informa a adoção de novas práticas de gestão

9/11/2020. Texto de João Pedro Nunes, editado por Marta Daniela Santos. Imagem: Nick-DCC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Also available in English here.

Os devastadores incêndios florestais na Austrália em 2019 e 2020 queimaram mais de 12 milhões de hectares de áreas naturais, incluindo grande parte da região em que se encontram as bacias hidrográficas que fornecem água potável para New South Wales e Victoria, com potenciais impactos negativos na qualidade da água. Este facto colocou em destaque a necessidade de os fornecedores de água implementarem medidas de emergência que possam ser tomadas para minimizar estes impactos.

A Associação dos Serviços de Água da Austrália (WSAA) publicou recentemente um guia de boas práticas nacionais para a gestão de incêndios florestais para a indústria hídrica australiana – disponível aqui – utilizando uma metodologia de avaliação do risco de contaminação da água após fogos florestais construída no âmbito de uma colaboração internacional liderada pelo investigador João Pedro Nunes, do cE3c. Os resultados dessa colaboração internacional foram publicados na revista Hydrological Processes em 2018, aqui. Desta equipa internacional fazem parte investigadores que trabalham em algumas das regiões do mundo mais afetadas pelo fogo, como a zona mediterrânica da Europa, os Estados Unidos, Canadá e Austrália.

Os investigadores propuseram uma estrutura operacional para entender os sistemas hidrológicos afetados pelo fogo, incluindo diretrizes para identificar os contaminantes preocupantes, as formas pelas quais eles são mobilizados e os caminhos pelos quais eles alcançam os corpos de água. A WSAA aplicou esta estrutura num sistema informático de manipulação de informação geográfica, o que permite aos abastecedores de água australianos identificar rapidamente e mitigar os riscos potenciais do abastecimento de água imediatamente após grandes incêndios florestais. Posteriormente, alguns membros desta equipa colaboraram com associados da WSAA para ajudar a implementar a metodologia.

Portugal enfrenta um problema semelhante, conforme demonstrado pelos impactos dos incêndios florestais de 2017. Para abordar esta questão, o cE3c está a desenvolver o projeto FRISCO: managing Fire-induced RISks of water quality Contamination, baseado na mesma metodologia. Trata-se de um projeto também liderado pelo investigador João Pedro Nunes, que assenta numa colaboração com a empresa de abastecimento “Águas de Portugal” e que visa construir uma ferramenta de avaliação de risco operacional para fornecedores de água com base em imagens de satélite de água queimada.

O artigo científico liderado por investigadores do cE3c e que informa estas diretrizes operacionais está disponível aqui:

Nunes JP, Doerr SH, Sheridan G, Neris J, Santín C, Emelko MB, Silins U, Robichaud PR, Elliot WJ, Keizer J. 2018. Assessing water contamination risk from vegetation fires: challenges, opportunities and a framework for progress. Hydrological Processes 32 (5): 687–684. http://dx.doi.org/10.1002/hyp.11434

Other Articles

  • Managing bushfire impacts on Australian water supplies: cE3c-led research informs the adoption of new management practices

    Scientific Report Managing bushfire impacts on Australian water supplies: cE3c-led research informs the adoption of new management practices

  • Federação Europeia de Ecologia lança reflexão sobre responsabilidades dos ecólogos

    Scientific Report Federação Europeia de Ecologia lança reflexão sobre responsabilidades dos ecólogos

  • Apelo urgente da IUCN para aumentar medidas de conservação

    Scientific Report Apelo urgente da IUCN para aumentar medidas de conservação

  • Relatório Anual do Grupo de Biodiversidade dos Açores - 2018

    Scientific Report Relatório Anual do Grupo de Biodiversidade dos Açores - 2018

  • Guia permite conhecer os insetos e plantas das Estações da Biodiversidade de Mértola

    Scientific Report Guia permite conhecer os insetos e plantas das Estações da Biodiversidade de Mértola