News

Pelo menos 14% dos locais da rede Natura 2000 da Península Ibérica Ocidental estão em risco de eutrofização

14/02/2020. Texto de Maria Castanheira, editado por Marta Daniela Santos. Na imagem: turfeira (próxima de Vila Real), um dos habitats sensíveis à eutrofização. ©: Maria Alexandra Oliveira.

Um novo estudo publicado na revista Atmospheric Environment (*) revela que pelo menos 14% dos locais da rede Natura 2000 situados na Península Ibérica Ocidental estão em risco de eutrofização – um fenómeno causado pela presença em excesso de azoto e outros nutrientes que leva ao crescimento excessivo de plantas que toleram o azoto, o que pode ter graves consequências para a biodiversidade.

A queima de combustíveis fósseis associados aos transportes e atividades industriais, bem como a agricultura e a pecuária, são alguns dos fatores que contribuem para a poluição do ar, através da emissão de azoto, enxofre e outros compostos que depois se depositam à superfície através da chuva ou sedimentação, com consequências potencialmente graves para a saúde e os ecossistemas.

No estudo agora publicado, os investigadores desenvolveram mapas da concentração e deposição de compostos de azoto e enxofre com o maior nível de detalhe até agora existente para Portugal Continental: com uma resolução espacial de 5km por 5km, quando os mapas anteriores tinham uma resolução de 10km por 10km a 50km por 50km. 

Esta elevada resolução é crucial para identificar áreas em maior risco, onde os níveis críticos de deposição de poluentes estão a ser ultrapassados.

Os resultados revelam que pelo menos 14% dos locais da rede Natura 2000 estão em risco de eutrofização – o crescimento em excesso de plantas tolerantes ao excesso de azoto e o desaparecimento de outras, menos tolerantes. A rede Natura 2000 é uma rede de áreas protegidas composta por cerca de 26 000 locais que representam um quinto do território europeu, oferecendo proteção a espécies e habitats ameaçados da Europa.

“Os nossos resultados indicam que pelo menos 14% dos locais da rede Natura 2000 na Península Ibérica Ocidental estão em risco de eutrofização – mais do triplo do que se conhecia com os modelos anteriores. Mas a área em risco de eutrofização poderá ser ainda mais elevada. Para 64% dos locais da rede Natura 2000 não existe ainda informação sobre a capacidade crítica dos seus ecossistemas em tolerar excedências de azoto”, explica Maria Alexandra Oliveira, primeira autora do estudo, investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa). Os novos mapas estão agora disponíveis online a todos os interessados. “Este é um importante contributo que agora está disponível. Apesar de a eutrofização ser considerada um dos fatores mais associados às alterações globais, mapas com elevada resolução da deposição de azoto não existiam para Portugal”, acrescenta a investigadora.

Conhecendo exatamente os locais com níveis elevados de poluentes e por isso em maior risco, é possível atuar com medidas concretas. “Os mapas produzidos poderão apoiar a implementação da Diretiva Europeia de Tetos de Emissões (NEC) renovada em 2019, que ‘obriga’ os países da União Europeia a estabelecer limites máximos de emissões de alguns poluentes”, explica Maria Alexandra Oliveira. Os investigadores disponibilizaram esta informação melhorada sobre a concentração de poluentes atmosféricos e deposição junto da Agência Portuguesa do Ambiente, para que possam ser implementadas medidas de gestão dos ecossistemas.

Este estudo resultou da colaboração de investigadores do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais e do Instituto Superior de Agronomia (ULisboa) e do Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido (UKCEH), no âmbito do projeto europeu NitroPortugal: Strengthening Portuguese research and innovation capacities in the field of excess reactive nitrogen (2015-2018).

 

(*) Oliveira M.A. et al. (2020) Nitrogen and sulfur deposition over a region in SW Europe based on a regional atmospheric chemical transport model. Atmospheric Environment, 223, 117290. https://doi.org/10.1016/j.atmosenv.2020.117290

Other Articles

  • Francelhos e rolieiros

    Paper Desafios de conservação: mais de 65% dos francelhos e rolieiros em Castro Verde dependem de ninhos artificiais

  • Desflorestação São Tomé

    Paper Desflorestação facilita a expansão de aves introduzidas em São Tomé

  • Custos e benefícios na reprodução sexual do ácaro-aranha

    Paper Custos e benefícios na reprodução sexual do ácaro-aranha

  • Usar o poder da música para mudar mentalidades sobre o consumo de carne de tartarugas marinhas

    Paper Usar o poder da música para mudar mentalidades sobre o consumo de carne de tartarugas marinhas

  • Fragmentos florestais podem ser capazes de manter as suas funções ecológicas apesar da perda de espécies

    Paper Fragmentos florestais podem ser capazes de manter as suas funções ecológicas apesar da perda de espécies