News

Porquê tantas flores? Novo artigo por investigadoras do cE3c avalia as estratégias de polinização da acácia, espécie invasora em Portugal

31/03/2018. Texto de Marta Daniela Santos, adaptado do artigo. Na fotografia: acácia (Acacia longifolia), fotografia de Catarina Costa.

Um novo estudo agora publicado na revista Web Ecology, disponível aqui, avalia a contribuição relativa do vento e da polinização por insetos para o sucesso de reprodução da acácia (Acacia longifolia), espécie invasora em Portugal. A estratégia mista de polinização desta espécie pode estar na base da sua proliferação na ventosa zona costeira de Portugal.

Inicialmente introduzida na Europa para fixar os solos e para fins ornamentais, a acácia (Acacia longifolia) rapidamente se tornou uma praga, ao propagar-se sem controlo ameaçando a biodiversidade e alterando o funcionamento dos solos.

Sempre se considerou que esta espécie é entomófila – ou seja, que deve a sua polinização à visita de insetos. No entanto, estes não estão ainda em atividade na Europa nos frios primeiros meses do ano, período em que ocorre a floração da acácia. Como se explica então o sucesso reprodutivo desta espécie nesta região?

A acácia é conhecida pelas suas muitas flores, muito perfumadas – características normalmente presentes quando a estratégia reprodutiva de uma planta passa por atrair insetos. Por outro lado, estas flores são pequenas, com numerosos estames e grãos de pólen pequenos – características normalmente presentes em plantas cuja disseminação ocorre por intermédio do vento.

O estudo agora publicado apresenta uma avaliação preliminar da estratégia mista de polinização da acácia, avaliando a contribuição relativa do vento e da polinização por insetos para a reprodução desta espécie.

As autoras do estudo – as investigadoras Manuela Giovanetti, Margarida Ramos e Cristina Máguas do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) – adotaram uma nova abordagem: consideraram à partida que uma parte do sucesso de polinização desta espécie se deve à ação do vento, e realizaram um conjunto de experiências de exclusão de polinizadores entre fevereiro e abril de 2016, época de floração da acácia, que lhes permitiu avaliar qual a contribuição relativa do principal polinizador.

Os resultados corroboraram a importância dos insetos para a polinização desta espécie; no entanto, durante o período das experiências foi de facto baixa a abundância registada de insetos. Em particular as abelhas, conhecidas como polinizadoras da acácia, foram registadas em baixo número e nem sempre as suas visitas tiveram sucesso na perspetiva da polinização.

Futuros estudos podem ajudar a determinar se a estratégia mista de polinização da acácia é estável ou transitória. O facto de o vento poder desempenhar um papel significativo na polinização desta espécie pode ajudar a explicar a sua proliferação agressiva em Portugal, em particular na ventosa zona costeira.

 

Referência do artigo:

Giovanetti, M., Ramos, M., and Máguas, C.: Why so many flowers? A preliminary assessment of mixed pollination strategy enhancing sexual reproduction of the invasive Acacia longifolia in Portugal, Web Ecol., 18, 47-54, https://doi.org/10.5194/we-18-47-2018, 2018.


Tags: ESFE

Other Articles

  • Biologia e Geologia: como os líquenes permitem data superfícies rochosas

    Paper Biologia e Geologia: como os líquenes permitem data superfícies rochosas

  • Distanciamento social face à COVID-19 pode constituir uma faca de dois gumes para microbioma humano

    Paper Distanciamento social face à COVID-19 pode constituir uma faca de dois gumes para microbioma humano

  • Estudo explora relação entre vinculação entre mães e filhos e a toma de antibióticos na infância

    Paper Estudo explora relação entre vinculação entre mães e filhos e a toma de antibióticos na infância

  • Foram registados pela primeira vez sons produzidos por peixes no monte submarino Condor, nos Açores

    Paper Foram registados pela primeira vez sons produzidos por peixes no monte submarino Condor, nos Açores

  • Carros como ferramenta para monitorizar e proteger a biodiversidade

    Paper Carros como ferramenta para monitorizar e proteger a biodiversidade