News

Comunicação nos peixes pode ser mais complexa do que se pensava

23/04/2021. Na imagem: adaptação por Manuel Vieira a partir de ilustração de Maico - ICN.

Já se sabia que muitos peixes emitem sons para comunicar entre si – agora, um novo estudo revela que os xarrocos, comuns do estuário do Tejo, comunicam e interagem entre si emitindo sons com maior complexidade do que se pensava.

Muitos peixes produzem sons para comunicar, principalmente durante a época de reprodução. É o caso do xarroco (Halobatrachus didactylus), peixe comum no estuário do Tejo e um modelo para o estudo da comunicação acústica em peixes. Nesta espécie os machos “cantam” para atrair as fêmeas para os seus ninhos, que preparam em espaços entre ou debaixo de rochas. As fêmeas põem os ovos no ninho, mas são os machos os responsáveis por protegê-lo e pelo cuidado parental.

No estudo agora publicado, os investigadores descobriram que os machos de xarroco não se limitam a emitir vocalizações, ou seja, a ‘cantar’ para atrair as fêmeas: monitorizam o ‘canto’ dos seus vizinhos e, face a isso, ajustam o seu próprio ‘canto’.

“Na maior parte dos casos que analisámos os indivíduos evitam sobrepor as vocalizações, alternando normalmente com vocalizações de outros indivíduos. Mas também observámos momentos em que os machos sobrepõem propositadamente as suas vocalizações com as de outro macho. Pensamos que este sincronismo deve ocorrer em situações de competição entre machos, mas só vamos poder confirmar esta hipótese em estudos controlados”, explica Manuel Vieira, primeiro autor do estudo, investigador do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c e Centro de Ciências do Mar e do Ambiente – MARE, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa).

Para este estudo, os investigadores recorreram a um sistema de reconhecimento automático de voz cujos algoritmos foram inicialmente desenvolvidos para o reconhecimento da fala humana, e analisaram registos acústicos obtidos junto a vários ninhos ocupados por machos de xarroco durante a época de reprodução, nas margens da Base Aérea do Montijo no estuário do rio Tejo.

No estudo, os investigadores analisaram também os ritmos acústicos diários em três locais na Base Aérea do Montijo, cada um caracterizado por uma diferente influência da maré e da presença humana. Os resultados revelam que uma grande parte das variações observadas não pode ser explicada por esses fatores – nesses casos, as variações observadas podem corresponder a interações entre machos vizinhos e entre machos e fêmeas.

“Este trabalho representa o culminar de várias observações do nosso grupo de investigação ao longo dos anos e mostra que a comunicação nos peixes é muito mais complexa do que se pensava. Estes resultados abrem a porta para estudos que incorporem os padrões temporais das ‘conversas’ entre peixes", explica Manuel Vieira, a desenvolver este projeto no âmbito do seu doutoramento.

São também autores do estudo Paulo Fonseca, investigador do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c, e Maria Clara Amorim, investigadora da Ciências ULisboa e MARE-ISPA, ambos orientadores de Manuel Vieira.

Referência do artigo:

Vieira M., Amorim M.C.P. & Fonseca P.J., Vocal rhythms in nesting Lusitanian toadfish, Halobatrachus didactylus, Ecological Informatics (2021). https://doi.org/10.1016/j.ecoinf.2021.101281

Mais informações:

FishTalk - site de divulgação dos estudos sobre peixes que produzem sons e a paisagem acústica

Fish Bioacoustics Lab

Other Articles

  • IUCN’s New “Green Status of Species” Measures Impact of Conservation Action

    Paper IUCN’s New “Green Status of Species” Measures Impact of Conservation Action

  • Ruído dos barcos no Tejo está a abafar o canto dos xarrocos

    Paper Ruído dos barcos no Tejo está a abafar o canto dos xarrocos

  • Paper in Science of our Collaborators Ana Santos and Sietze Norder: Study reveals extent of human impact on the world’s plant-life

    Paper Paper in Science of our Collaborators Ana Santos and Sietze Norder: Study reveals extent of human impact on the world’s plant-life

  • Colónias mistas de aves - João Gameiro

    Paper Estudo revela que a carga parasitária em colónias mistas de aves depende da identidade das suas espécies

  • Novo estudo lança luz sobre a tuberculose animal em Portugal

    Paper Novo estudo lança luz sobre a tuberculose animal em Portugal