News

Plataforma portuguesa que investiga o montado a longo prazo distinguida a nível internacional

13/09/2019. Texto de Marta Daniela Santos. Na imagem: Herdade da Coitadinha, um dos cinco sítios de experimentação e monitorização que compõem a plataforma LTsER Montado. ©: Pedro Pinho.

A plataforma LTsER Montado, uma plataforma de investigação socio-ecológica de longo prazo sobre o montado, foi distinguida com o Prémio “Most Striking Case” atribuído pela primeira vez pela Rede Internacional de Investigação Ecológica de Longo Prazo (ILTER).

O montado é uma das paisagens identitárias de Portugal. Moldado pelo Homem ao longo de séculos por atividades como a agricultura, a pastagem e a caça, este ecossistema tipo savana é característico do sul do país e reconhecido pelas vastas extensões de sobreiros e azinheiras dispersas pela paisagem, com uma enorme importância económica, ambiental e cultural para o país. O estudo deste ecossistema, com vista à sua perservação e sustentabilidade, é uma das prioridades de vários grupos de investigação do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), reunindo os esforços de um conjunto significativo dos seus investigadores através de projetos nacionais e internacionais.

Na Herdade da Ribeira Abaixo, estação de campo do cE3c (FCUL), um dos cinco sítios de experimentação e monitorização que compõem a plataforma LTsER Montado. ©: Pedro Pinho. 

A plataforma LTsER Montado

Criada em 2011, a plataforma LTsER Montado (LTsER do inglês Long-Term Socio-Ecological Research) recolhe, analisa e armazena séries temporais de dados ambientais, sociais e económicos, para desenvolver investigação sobre todos os fenómenos e processos que afetam o montado. E o trabalho que tem vindo a desenvolver nestes oito anos foi agora reconhecido a nível internacional com o Prémio “Most Striking Case” atribuído pela rede ILTER, que agrega centenas de sítios de investigação ecológica de longo prazo.

“O que distingue esta plataforma de investigação é a visão abrangente e de longo prazo que tem deste ecossistema. O montado muda, mas muda devagar: muitos fenómenos associados às alterações ambientais, como as alterações climáticas e no uso do solo, a desertificação e a degradação do solo apenas se conseguem detetar a longo prazo”, explica Margarida Santos-Reis, coordenadora da plataforma LTsER Montado e investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c/FCUL.

LTsER Montado é uma dos quatro sítios/plataformas de investigação ecológica de longo prazo que existem no nosso país, constituindo a rede LTER Portugal. A rede LTER organiza-se em dois níveis: as plataformas LTSER e os Sítios LTER, sendo que as plataformas abrangem uma área geográfica mais vasta e integram uma abordagem socio-ecológica na sua investigação – daí o ‘s’ na designação LTsER.

A plataforma LTsER Montado desenvolve a sua investigação conjugando os dados regionais obtidos por deteção remota e bases de dados e estatísticas oficiais com trabalho de campo desenvolvido em cinco sítios de experimentação e/ou monitorização, que representam um gradiente de clima e tipos de solo: a Herdade da Ribeira Abaixo (estação de campo da FCUL), a Companhia das Lezírias, a Herdade da Machuqueira do Grou, a Herdade da Coitadinha e a Herdade da Contenda.

Em cima: Companhia das Lezírias. Em baixo: Herdade da Contenda. Dois dos cinco sítios de experimentação e monitorização que compõem a plataforma LTsER Montado. ©: Pedro Pinho.

Estudar o montado a longo prazo – e numa perspetiva transdisciplinar

O Prémio “Most Striking Case” foi criado pela rede ILTER com o objetivo de distinguir a plataforma com resultados mais marcantes, que só poderiam ser obtidos através de um trabalho de equipa e uma abordagem transdisciplinar e de longo-prazo.  É essa a abordagem que tem vindo a ser desenvolvido na LTsER Montado, envolvendo investigadores de diversas disciplinas científicas – como biólogos, ecólogos, cientistas sociais e geólogos – e assumindo o envolvimento da população da região e dos decisores políticos.

“Num dos nossos projetos recentes trabalhámos com as várias pessoas envolvidas no montado – como os donos da terra, gestores, técnicos, associações de caçadores ou de apicultores e cientistas – para identificar e avaliar o que identificam como os principais serviços prestados pelo montado – ou seja, os benefícios que obtemos deste ecossistema. Os produtos derivados do sistema, como a cortiça,  e os serviços de regulação e manutenção foram dos mais valorizados”, explica Inês Teixeira do Rosário , da equipa do LTsER Montado e investigadora do cE3c, na FCUL.

A sustentabilidade futura do montado depende de uma gestão adequada e de uma visão de longo-prazo, e uma das ações que tem vindo a ser implementada para combater a degradação do sistema é a reflorestação ou a promoção da regeneração natural. Noutro dos seus projetos mais recentes (AdaptforChange), a equipa desenvolveu um modelo que permite avaliar com grande precisão espacial o potencial da regeneração natural ao longo do tempo. “Este modelo mostrou que as zonas com menor exposição solar são as zonas com maior regeneração natural ao fim de 60 anos, e permitiu também ver que este sucesso diminui drasticamente num cenário de alterações climáticas” explica Adriana Príncipe, um dos elementos da equipa do LTsER Montado e doutoranda do cE3c, na FCUL. Estas recomendações foram já integradas no Plano de Adaptação de Mértola às Alterações Climáticas por André Vizinho, investigador do cE3c, e colegas.

Herdade da Machuqueira, um dos cinco sítios de experimentação e monitorização que compõem a plataforma LTsER Montado.

O reconhecimento internacional – e os próximos passos

Para além do reconhecimento internacional, o Prémio correspondeu ao pagamento da viagem e registo para participar na conferência ILTER Open Science Meeting 2019, que decorreu entre 2 e 6 de setembro em Leipzig (Alemanha), onde Pedro Pinho, investigador do cE3c, representou a equipa do LTsER Montado, apresentou as principais linhas de investigação e resultados obtidos e recebeu a distinção.

Other Articles

  • Dia Aberto de Produtores: 8 outubro, Jardim do C6, FCUL

    Others Dia Aberto de Produtores: 8 outubro, Jardim do C6, FCUL

  • Filme-documentário CAMPO conta com contributo do cE3c

    Others Filme-documentário CAMPO conta com contributo do cE3c

  • Cristina Antunes distinguida com Menção Honrosa no Prémio CAPES de Tese 2019

    Others Cristina Antunes distinguida com Menção Honrosa no Prémio CAPES de Tese 2019

  • Celebrar o Dia da Ecologia, a 14 de setembro

    Others Celebrar o Dia da Ecologia, a 14 de setembro

  • Dois investigadores do cE3c distinguidos na edição de 2019 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias

    Others Dois investigadores do cE3c distinguidos na edição de 2019 do Prémio de Doutoramento em Ecologia Fundação Amadeu Dias