News

ALL NEWS

O ácaro-aranha, praga mundial de culturas agrícolas, pode ser vencido por bactérias

26/06/2017. Texto de Marta Daniela Santos. Comunicado de imprensa disponível aqui.

Novo estudo (*) revela que o ácaro-aranha (Tetranychus urticae), uma conhecida praga mundial de culturas agrícolas, não tem mecanismos de defesa contra bactérias.

Com menos de um milímetro de comprimento, o ácaro-aranha (Tetranychus urticae) é quase invisível a olho-nu. Mas porque se consegue alimentar de centenas de espécies de plantas, incluindo importantes culturas agrícolas como tomate, pepino, morango e limão, os seus efeitos podem ser devastadores. O estudo agora publicado revela que os ácaros-aranha podem ser vencidos pelas bactérias: os investigadores avaliaram os efeitos da infeção com as bactérias Escherichia coli e Bacillus megaterium, verificando que os ácaros-aranha não têm mecanismos de defesa contra estas infeções.

"A infeção bacteriana levou a uma morte bastante rápida da maioria dos ácaros-aranha infectados, associada ao crescimento contínuo e descontrolado das bactérias no interior dos ácaros. Ao nível genético, verificámos também que os ácaros-aranha não activam genes na presença de patogéneos como estas bactérias”, explica Gonçalo Santos Matos, primeiro autor do estudo e à data de realização do estudo investigador no cE3c sediado na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), e agora investigador no IGC – Instituto Gulbenkian de Ciência.

A sequenciação do genoma do ácaro-aranha já tinha revelado que uma boa parte dos genes conhecidos por codificar a resposta imunitária noutros invertebrados estavam ausentes nesta espécie. No entanto, não se sabia se os ácaros-aranha eram à mesma capazes de combater infeções de bactérias recorrendo a outros mecanismos, codificados noutros genes.

É importante notar, no entanto, que nem todos os ácaros apresentam esta ausência de resposta imunitária. Uma outra espécie de ácaro, Sancassania berlesei, é capaz de controlar o crescimento bacteriano e sobreviver à infeção: “Uma diferença importante destes ácaros consiste no habitat que ocupam e na dieta que têm. Enquanto S. berlesei se alimenta de detritos em que a presença de bactérias é mais que provável, o ácaro-aranha alimenta-se chupando o citoplasma das células, um meio virtualmente aséptico”, concluem os coordenadores do estudo Élio Sucena, investigador do IGC – Instituto Gulbenkian de Ciência e docente da FCUL, e Sara Magalhães, investigadora do cE3c.

Este estudo resulta da parceria entre o cE3c – Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais e o IGC – Instituto Gulbenkian de Ciência, com o apoio de uma equipa da Vetmeduni em Viena de Áustria.

(*) Santos-Matos G et al. 2017 Tetranychus urticae mites do not mount an induced immune response against bacteria. Proc. R. Soc. B 284: 20170401. http://dx.doi.org/10.1098/rspb.2017.0401

 

Press coverage: [Notícias do Nordeste][ElvasNews]


Tags: EE

Other Articles

  • Ondas de calor podem alterar os impactos do lagostim-vermelho-da-Louisiana, uma das piores espécies invasoras em Portugal

    Paper Ondas de calor podem alterar os impactos do lagostim-vermelho-da-Louisiana, uma das piores espécies invasoras em Portugal

  • Heat waves can change the impacts of the red swamp crayfish, one of the world’s worst invasive species

    Paper Heat waves can change the impacts of the red swamp crayfish, one of the world’s worst invasive species

  • Estudar a distribuição geográfica dos cetáceos: é tudo uma questão de escala

    Paper Estudar a distribuição geográfica dos cetáceos: é tudo uma questão de escala

  • Novo estudo reconstrói a evolução das flores ao longo dos últimos 140 milhões de anos

    Paper Novo estudo reconstrói a evolução das flores ao longo dos últimos 140 milhões de anos

  • O sexo importa? Para os morcegos, sim

    Paper O sexo importa? Para os morcegos, sim