News

Investigadores estudam história evolutiva de lagartos endémicos da Austrália revelando como se adaptaram a alterações climáticas do passado


Photos Gallery

19/06/2017. Texto de Marta Daniela Santos.

Na fotografia em destaque: Escinco arco-íris castanho rugoso (Carlia johnstonei) com iridiscência arco-íris característica do género Carlia. Foto por Brendan Schembri.

Na segunda imagem: Escinco arco-irís do deserto (Carlia triacantha). Foto por Mark Allen.

As espécies tropicais especialistas – que dependem de climas mais específicos – terão sido mais sensíveis às alterações climáticas que ocorreram no período das glaciações. A conclusão é de um novo estudo (*) que compara a história evolutiva de duas espécies de lagartos endémicos da Austrália, Carlia triacantha e Carlia johnstonei, através de análises genómicas que permitiram investigar a sua diversidade e estrutura genética e as flutuações demográficas que terão ocorrido dos últimos dez mil anos.

É esperado que as espécies endémicas das regiões tropicais sejam vulneráveis a alterações climáticas, em parte porque os seus nichos climáticos são relativamente pequenos. Para além disso, estas espécies terão provavelmente respondido de forma mais forte a alterações climáticas no passado, o que pode ser explorado através do estudo dos processos evolutivos que terão contribuído para a distribuição geográfica actual das espécies.

Será que uma espécie especialista é mais sensível a alterações climáticas do que uma espécie generalista, que ocorra na mesma região? Para testar esta hipótese os investigadores compararam os padrões genéticos de duas espécies de lagartos endémicos da Austrália: o escinco arco-íris castanho rugoso (Carlia johnstonei) e o escinco arco-íris do deserto (Carlia triacantha). C. johnstonei é uma espécie especialista tropical que se encontra sobretudo na zona mais húmida de Kimberley, uma região de savana ainda pouco estudada no noroeste da Austrália. A espécie C. triacanta, por outro lado, é generalista: não só ocorre em Kimberley, como também mais no Norte tropical da Austrália e no deserto no centro do continente.

“Face às alterações climáticas no passado, as populações das espécies com menor tolerância climática terão potencialmente contraído e divergido em refúgios, ficando isoladas entre si, o que permitiu o desenvolvimento de diversidade genética de forma independente em cada uma dessas populações. Mais tarde, quando as condições climáticas voltaram a ser favoráveis, as populações voltaram a expandir-se. Isto é observável através de estudos genéticos, que relacionam os padrões geográficos de uma espécie com a sua diversidade e estrutura genética, e ainda com as flutuações demográficas dessa espécie”, explica Ana Afonso Silva, primeira autora do estudo e investigadora do cE3c e da Universidade Nacional Australiana . “Os nossos resultados demonstram que a espécie especialista, C. johnstonei, apresenta padrões de maior estrutura e diversidade genética, bem como evidências de expansão demográfica durante um período de maior precipitação que se seguiu ao fim das glaciações – na Austrália as glaciações fizeram-se sentir por um período mais seco. O mesmo não se verificou para a espécie generalista, C. triacanta. Estes resultados confirmam a nossa hipótese de que a espécie especialista terá sido mais sensível às alterações climáticas, na mesma região, do que a espécie generalista”.

Este estudo resulta da colaboração entre investigadores do cE3c-FCUL e da Universidade Nacional Australiana, e inclui descobertas imprevistas: “Também acabámos por descobrir novas linhagens genéticas dentro de cada espécie que ainda não tinham sido identificadas, na região da Kimberley, onde as espécies se sobrepõem. Estamos agora a trabalhar para as descrever como espécies novas“, refere Ana Afonso Silva.

Para além de aumentar o nosso conhecimento sobre como espécies próximas terão respondido a alterações climáticas no passado, este estudo contribui também para o conhecimento da biodiversidade Australiana: “Apesar de a Austrália ter a maior biodiversidade de répteis do mundo, o conhecimento sobre a biodiversidade de muitas regiões remotas é ainda insuficiente. Há espécies a serem descobertas todos os anos, especialmente em Kimberley”, conclui Ana Afonso Silva.

(*) Afonso Silva, A. C., Bragg, J. G., Potter, S., Fernandes, C., Coelho, M. M. e Moritz, C. (2017), Tropical specialist versus climate generalist: diversification and demographic history of sister species of Carlia skinks from northwestern Australia. Mol Ecol. Accepted Author Manuscript. doi:10.1111/mec.14185


Tags: EG

Other Articles

  • Novo artigo sobre monitorização de longo prazo de artrópodes nos Açores publicado em edição especial da Ecography

    Paper Novo artigo sobre monitorização de longo prazo de artrópodes nos Açores publicado em edição especial da Ecography

  • Ecologia e evolução da facilitação entre simbiontes: artigo de revisão abre novas linhas de investigação

    Paper Ecologia e evolução da facilitação entre simbiontes: artigo de revisão abre novas linhas de investigação

  • Novo estudo revela o impacto das alterações dos recursos hídricos subterrâneos no desempenho fisiológico das plantas

    Paper Novo estudo revela o impacto das alterações dos recursos hídricos subterrâneos no desempenho fisiológico das plantas

  • Primeiro estudo sobre a ecologia da alimentação das tartarugas verdes da África Ocidental

    Paper Primeiro estudo sobre a ecologia da alimentação das tartarugas verdes da África Ocidental

  • Protocolo permite isolar fungo patogénico em anfíbios vivos: balanço de uma década com olhos postos na ética e bem-estar animal

    Paper Protocolo permite isolar fungo patogénico em anfíbios vivos: balanço de uma década com olhos postos na ética e bem-estar animal