News

O ADN de um elefante

11/12/2019. Texto de Fabrício Mota, editado por Marta Daniela Santos e Teresa Santos. Fotografias da autoria de Teresa Santos.

Um estudo recentemente publicado na revista científica Genes* demonstra a necessidade da avaliação genética para a preservação dos elefantes africanos na África do Sul. A análise da variabilidade no ADN demonstrou que os elefantes se encontram geneticamente saudáveis, principalmente devido à retirada de fronteiras entre as reservas vizinhas, sendo capazes de se adaptar a mudanças de ambiente de maneira saudável durante as próximas gerações.  

Com a sua população já muito reduzida, o elefante africano da savana (Loxodonta africana), o maior mamífero terrestre, é foco de esforços para a preservação da sua espécie, sendo um destes a diminuição do risco genético atribuído à baixa disponibilidade de parceiros. Para compreender se a população de elefantes no nordeste da África do Sul ainda são geneticamente saudáveis Teresa Santos, investigadora do cE3c, em colaboração com uma equipa de investigadores locais e internacionais, realizou um estudo genético na região do Parque Nacional Kruger na África do Sul com o objetivo de criar uma base para o acompanhamento genético desta espécie.

Por causa da população e espaço limitado, as espécies tendem a perder variabilidade genética, levando a diversos problemas de adaptabilidade e à perpetuação de características pouco interessantes devido à baixa variabilidade genética disponível. A falta de um estudo na região para aferir as condições genéticas dos elefantes africanos levantava a questão sobre a saúde genética da espécie e sobre a possibilidade de a sua preservação estar comprometida.

Neste estudo, a equipa de investigação analisou a diversidade genética da população de elefantes presente no Parque Nacional Kruger e em reservas privadas adjacentes na África do Sul. Foram amostrados 294 animais, tendo estes a capacidade de transitar entre as reservas e o Parque Nacional do Limpopo em Moçambique o qual faz fronteira aberta há quase duas décadas.

O estudo não só analisou a variabilidade genética dos elefantes, mas também traços partilhados entre todos os membros da população, não somente local mas em toda a África, para testar a identidade dos indivíduos enquanto espécie.

“Em geral, apesar dos elefantes terem sido quase erradicados da área do Parque Nacional do Kruger entre o final do século XIX e o início do século XX, a população estudada está actualmente geneticamente saudável e apresenta níveis de diversidade similares a outras populações do sul de África”, explica Teresa Santos. “No entanto, é imperativo continuar a monitorização no futuro, não só porque se trata de uma das maiores populações de elefante africano, como porque o efectivo populacional está abaixo do valor mínimo necessário para a manutenção a longo prazo da diversidade genética e capacidade de adaptação a alterações ambientais”, acrescenta a investigadora.

Estes resultados demonstram a importância da retirada de fronteiras e cercas entre áreas de preservação, que fizeram com que estes animais hoje se encontrem saudáveis e possam se adaptar a alterações no seu ambiente, como mudanças climáticas e doenças, entre outros. Este torna-se assim o caminho desejável na preservação não somente dos elefantes, mas de diversas espécies que sofreram com a interferência humana ao longo dos anos. 

“Os nossos resultados advêm do tempo longo de geração dos elefantes, de um crescimento rápido populacional e da entrada de novos indivíduos para a população ao longo do tempo. De facto, houve migração natural para estas áreas quando não existiam cercas e eventos de translocação quando elas existiam, o que acaba por contribuir para uma menor quebra na diversidade genética. Este não é necessariamente o caso para muitas outras populações de outras espécies que estão fragmentadas. A existência de fronteiras não naturais pode levar à diminuição da diversidade genética que é vital para que as populações e espécies se consigam adaptar às alterações ambientais e, consequentemente, pôr em causa a viabilidade a longo prazo das populações. Tendo em conta as rápidas mudanças ambientais em curso, torna-se essencial reconectar populações”, conclui Teresa Santos.

Este trabalho resultou da cooperação entre investigadores do cE3c e investigadores da Universidade de Sheffield – Reino Unido, Universidade de Cambridge – Reino Unido, Universidade da África do Sul, Universidade de Witwatersrand – África do Sul, Universidade de Hong Kong – China e o Instituto de Estudos Avançados de Berlim – Alemanha.

(*)   Santos, T. L., Fernandes, C., Henley, M. D., Dawson, D. A., & Mumby, H. S., Conservation Genetic Assessment of Savannah Elephants (Loxodonta africana) in the Greater Kruger Biosphere, South Africa. Genes 2019, 10, 779. https://doi.org/10.3390/genes10100779

Other Articles

  • Biologia e Geologia: como os líquenes permitem data superfícies rochosas

    Paper Biologia e Geologia: como os líquenes permitem data superfícies rochosas

  • Distanciamento social face à COVID-19 pode constituir uma faca de dois gumes para microbioma humano

    Paper Distanciamento social face à COVID-19 pode constituir uma faca de dois gumes para microbioma humano

  • Estudo explora relação entre vinculação entre mães e filhos e a toma de antibióticos na infância

    Paper Estudo explora relação entre vinculação entre mães e filhos e a toma de antibióticos na infância

  • Foram registados pela primeira vez sons produzidos por peixes no monte submarino Condor, nos Açores

    Paper Foram registados pela primeira vez sons produzidos por peixes no monte submarino Condor, nos Açores

  • Carros como ferramenta para monitorizar e proteger a biodiversidade

    Paper Carros como ferramenta para monitorizar e proteger a biodiversidade