ALL PUBLICATIONS

Monitorização da espécie de térmita de madeira seca C. brevis no arquipélago dos Açores (2010-2014)

  • Technical Reports
  • Sep, 2015

Guerreiro, O. & Borges, P.A.V. (2015) Monitorização da espécie de térmita de madeira seca C. brevis no arquipélago dos Açores (2010-2014). Universidade dos Açores, Dep. de Ciências Agrárias, Angra do Heroísmo, 26 pp.

Summary:

A térmita de madeira seca das Índias Ocidentais Cryptotermes brevis (Walker) é uma praga que ataca as estruturas das habitações nas regiões entre os trópicos (com excepção da Ásia) (trópico - cosmopolita). A C. brevis é originária do Chile e Peru, onde ocorre em troncos de madeira de árvores que existem longe de estruturas. Actualmente a presença desta térmita nos Açores está confirmada para seis das nove ilhas que constituem o arquipélago, tendo a espécie sido identificada pela primeira vez nos Açores no ano de 2000. O controlo e monitorização da praga foram iniciados em 2009 na cidade de Angra do Heroísmo através da colocação de armadilhas colantes em edifícios afectados, nas diversas ruas da cidade. A partir de 2010, a monitorização estendeu-se aos vários pontos afectados e actualmente é realizada nas Ilhas do Pico, Faial, S. Jorge, Terceira, Santa Maria e S. Miguel. A monitorização é realizada pela captura de alados, térmitas reprodutoras com a capacidade de voo (futuras rainhas e reis), com armadilhas e consequente contagem desses indivíduos. Estes dados são posteriormente processados em Sistema de Informação Geográfica (SIG), obtendo-se um mapa com as zonas mais afectadas e as que têm maior risco de infestação. As zonas mais afectadas pela praga são as cidades de Angra do Heroísmo e Ponta Delgada, nomeadamente nas zonas centrais e mais antigas das cidades. Em ambas as cidades existe, ao longo dos anos de monitorização, um aumento das capturas de térmitas aladas e da área de risco elevado de infestação, sendo que, essa área é bastante mais significativa em Angra do Heroísmo.
Face aos resultados apresentados, é imperativa a implementação de um Plano Integrado de Gestão da Praga Urbana para controlar a praga e evitar a sua expansão a outras localidades.


Download Publication