News

Resultados de inquérito dinamizado pelo cE3c revelam quais os espaços verdes preferidos de Lisboa

5/09/2018. Texto por Marta Daniela Santos. Fotografia de João Pimentel Ferreira, disponível aqui.

A proximidade de casa ou do trabalho, o sossego e a biodiversidade: são os trunfos dos jardins mais frequentados de Lisboa, de acordo com as respostas de mais de duas mil pessoas ao inquérito dinamizado pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa sobre os espaços verdes da cidade.

Os Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian são apontados como os preferidos pelas maioria das pessoas que responderam a este inquérito, cujas respostas foram recolhidas online no início de 2017 (como noticiámos aqui). Os outros quatro espaços verdes mais referidos foram, por ordem decrescente: os Jardins do Campo Grande, o Jardim da Estrela (Jardim Guerra Junqueiro), o Parque Eduardo VII de Inglaterra e o Parque Florestal de Monsanto.

A proximidade de casa ou do trabalho surge como razão determinante para a escolha de frequentar estes espaços verdes, logo seguida da sua tranquilidade e sossego, a biodiversidade e beleza que possuem, e o facto de terem parque infantil.

Participaram neste inquérito 2091 pessoas, 51% do sexo feminino, e na sua maioria com idades compreendidas entre os 25 e 44 anos.

Os resultados deste inquérito - cujo desenvolvimento foi liderado por Ana Luz  (eChanges-cE3c) em colaboração com o UrbanLab, liderado por Pedro Pinho (eChanges-cE3c) - serão em breve publicados em detalhe num artigo científico. “Esperamos que estes resultados possam apoiar o planeamento da estrutura verde das cidades Mediterrânicas no geral, e de Lisboa em particular”, refere Ana Luz.

Este inquérito surge no âmbito do projeto Europeu GREEN SURGE - Green Infrastructure and Urban Biodiversity for Sustainable Urban Development and the Green Economy, liderado por Margarida Santos-Reis (CSEE-cE3c), e do Plano de Ação Local para a Biodiversidade 2020 da Câmara Municipal de Lisboa. Da equipa de trabalho fazem também parte Cristina Branquinho, investigadora do cE3c, e Filipa Grilo, Paula GonçalvesCristiana Aleixo, Raquel Mendes e Maartje Buijs, estudantes no cE3c, em colaboração com Inês Metelo da Câmara Municipal de Lisboa.

 

Relacionado:

Resultados também disponíveis na página da Câmara Municipal de Lisboa, aqui.

Nos media: [Diário de Notícias], [Time Out], [V Digital], [InfoFCUL].


Tags: eChanges

Other Articles

  • Projeto europeu NitroPortugal lança reflexão pública sobre poluição por excesso de azoto

    Project Projeto europeu NitroPortugal lança reflexão pública sobre consequências do excesso de azoto no ambiente

  • Modelar e avaliar alterações climáticas em ilhas europeias: primeira reunião do Grupo de Trabalho Local Açores do projeto SOCLIMPACT

    Project Modelar e avaliar alterações climáticas em ilhas europeias: primeira reunião do Grupo de Trabalho Local Açores do projeto SOCLIMPACT

  • Cerca de 2,5 milhões de dados do Portal de Biodiversidade dos Açores Universidade dos Açores publicados através do GBIF

    Project Cerca de 2,5 milhões de dados do Portal de Biodiversidade dos Açores Universidade dos Açores publicados através do GBIF

  • Banda desenhada portuguesa sobre alterações climáticas a concurso no Prémio “Best Climate Solutions 2018”: votações online decorrem até 15 de outubro

    Project Banda desenhada portuguesa sobre alterações climáticas nomeada para prémio internacional

  • Ponte entre a ação climática europeia e local: projeto BEACON é lançado em Portugal, com o cE3c como uma das instituições coordenadoras em Portugal

    Project Ponte entre ação climática europeia e local: projeto BEACON lançado em Portugal, com cE3c como uma das instituições parceiras