News

Proposta para esquema global de monitorização da biodiversidade das florestas nativas das ilhas: Investigadores do cE3c lideram investigação estratégica respondendo aos desafios da declaração de Guadeloupe

8/05/2018. Texto do Grupo de Biodiversidade dos Açores

As ilhas são bem conhecidas pela sua biodiversidade única. No entanto, a maioria das extinções registadas pelos cientistas ocorreram em ilhas. Paulo A.V. Borges, Pedro Cardoso e Rosalina Gabriel do Grupo da Biodiversidade dos Açores (IBBC, cE3c) lideraram um grande número de cientistas que delinearam protocolos padronizados (disponível para download aqui) para monitorizar a biodiversidade em ilhas.

Interromper a perda de biodiversidade é um desafio-chave para o século XXI, e isso é particularmente verdadeiro para as ilhas, que atualmente são altamente afetadas em todos os níveis de biodiversidade. Os autores argumentam que são urgentes esquemas de monitorização de longo prazo para conhecer o estado da biodiversidade em ilhas: (i) fornecendo linhas de base quantitativas para detectar mudanças nos ecossistemas insulares; (ii) avaliar a eficácia das ações de gestão e conservação; (iii) identificar padrões ecológicos gerais.

No artigo agora publicado, Paulo A.V. Borges, Pedro Cardoso e Rosalina Gabriel do Grupo da Biodiversidade dos Açores (IBBC, cE3c) lideraram vários grupos de trabalho que delinearam 12 protocolos para monitorizar a biodiversidade de vários grupos de plantas e animais (briófitos, plantas vasculares, aranhas, escaravelhos, aves e mamíferos) em ilhas.

Esta investigação decorreu no âmbito do projeto MACDIV – Macaronesian Islands as a testing ground to assess biodiversity drivers at multiple scales (FCT - PTDC/BIABIC/0054/2014), e pretende inspirar os cientistas que trabalham em sistemas insulares para a realização de monitorizações rápidas do estado da biodiversidade em ilhas. O artigo foi publicado em OPEN SOURCE e os protocolos estão disponíveus no ISLAND LAB de forma a que possam ser rapidamente consultados e implementados.

Paulo Borges afirma: “Acreditamos que todos os passos propostos são essenciais para melhorar o conhecimento sobre a biodiversidade de ilhas e, assim, valorizar e salvaguardar o legado natural único das ilhas oceânicas”.

Cerca de 30 dos 52 autores deste artigo (disponível para download aqui) são membros do cE3c (pertencentes a vários grupos: CE, ESFE,  IBBC, IERS, NHS).

 

Ver mais detalhes em:

Borges, P.A.V., et al. (2018). A Global Island Monitoring Scheme (GIMS) for the long-term coordinated survey and monitoring of forest biota across islands. Biodiversity and Conservation, DOI:10.1007/s10531-018-1553-7


Tags: CE ESFE IBBC IERS NHS

Other Articles

  • Novo artigo sobre monitorização de longo prazo de artrópodes nos Açores publicado em edição especial da Ecography

    Paper Novo artigo sobre monitorização de longo prazo de artrópodes nos Açores publicado em edição especial da Ecography

  • Ecologia e evolução da facilitação entre simbiontes: artigo de revisão abre novas linhas de investigação

    Paper Ecologia e evolução da facilitação entre simbiontes: artigo de revisão abre novas linhas de investigação

  • Novo estudo revela o impacto das alterações dos recursos hídricos subterrâneos no desempenho fisiológico das plantas

    Paper Novo estudo revela o impacto das alterações dos recursos hídricos subterrâneos no desempenho fisiológico das plantas

  • Primeiro estudo sobre a ecologia da alimentação das tartarugas verdes da África Ocidental

    Paper Primeiro estudo sobre a ecologia da alimentação das tartarugas verdes da África Ocidental

  • Protocolo permite isolar fungo patogénico em anfíbios vivos: balanço de uma década com olhos postos na ética e bem-estar animal

    Paper Protocolo permite isolar fungo patogénico em anfíbios vivos: balanço de uma década com olhos postos na ética e bem-estar animal