News

Projeto PROSEU: potenciar a participação ativa dos cidadãos na transição energética

16/03/2018. Texto de Inês Campos.

A reunião de arranque do novo projeto Europeu PROSEU, financiado por fundos Horizonte 2020, terá lugar na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa a 22 e 23 de março, reunindo investigadores e representantes de governos locais dos seis países que compõem o consórcio. O projeto, que terá a duração de três anos, aborda o papel dos cidadãos na produção e distribuição de energia renovável e tem como objetivo explorar como o “prosumerismo” pode ajudar a construir um futuro mais sustentável.

Nos últimos anos têm surgido por toda a Europa novas iniciativas energéticas que visam superar a diferença entre investidores, produtores e consumidores. Estes, ao produzir a sua própria energia renovável, tornam-se os chamados "prosumidores". O "Prosumerismo" dá deste modo um novo significado à participação do cidadão, que assume um papel dinâmico e central na transição energética.

Os ‘prosumidores’ locais respondem a um desafio ambiental global, contribuindo de forma concreta para a mudança de um sistema energético dependente de combustíveis fósseis para uma energia limpa e renovável, mas também elaborando novos modelos de negócios, com base na co-produção e na apropriação cooperativa. Isso contribui para o desenvolvimento de novas formas de democracia e transparência na esfera econômica.

O projeto PROSEU - PROSumers for the Energy Union: mainstreaming active participation of citizens in the energy transition - pretende mapear as iniciativas existentes de energia renovável na Europa, analisando os seus quadros regulatórios, identificando esquemas de financiamento inovadores, bem como as principais barreiras e oportunidades para a emergência de novos ‘prosumidores’, trabalhando diretamente, num contexto de experimentação e inovação com os seus "Living Labs".

“Através do PROSEU pretendemos envolver parceiros nas esferas política e empresarial e na sociedade civil. Pretendemos criar uma comunidade de interesse que conecte ‘prosumidores’ com base em iniciativas lideradas por comunidades locais, cooperativas, grupos de consumidores e organizações, governos locais e regionais, empresas e investigadores de toda a União Europeia”, explica Inês Campos, investigadora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) e coordenadora do projeto.

O projeto PROSEU é coordenado pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais – cE3c (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) e envolve universidades, empresas, e organizações não-governamentais de seis países europeus (Portugal, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Holanda e Croácia). A equipa interdisciplinar irá trabalhar em estreita colaboração com iniciativas de prosumidores em toda a Europa, para descobrir quais as estruturas de incentivo que permitirão a integração do Prosumerismo na produção de energia renovável, salvaguardando a participação dos cidadãos, de forma inclusiva e transparente.


Tags: CCIAM

Other Articles

  • Celebrar o Dia Mundial do Solo: balanço da edição de 2018

    Project Celebrar o Dia Mundial do Solo: balanço da edição de 2018

  • Livro infantil sobre o problema do excesso do azoto é lançado a 5 de dezembro no Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva

    Project Livro infantil sobre problema do excesso de azoto lançado a 5 de dezembro no Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva

  • Projeto europeu NitroPortugal lança reflexão pública sobre poluição por excesso de azoto

    Project Projeto europeu NitroPortugal lança reflexão pública sobre consequências do excesso de azoto no ambiente

  • Modelar e avaliar alterações climáticas em ilhas europeias: primeira reunião do Grupo de Trabalho Local Açores do projeto SOCLIMPACT

    Project Modelar e avaliar alterações climáticas em ilhas europeias: primeira reunião do Grupo de Trabalho Local Açores do projeto SOCLIMPACT

  • Cerca de 2,5 milhões de dados do Portal de Biodiversidade dos Açores Universidade dos Açores publicados através do GBIF

    Project Cerca de 2,5 milhões de dados do Portal de Biodiversidade dos Açores Universidade dos Açores publicados através do GBIF