News


Photos Gallery

ALL NEWS

Descobertas duas novas espécies de cigarra em Marrocos

17/03/2017. Texto da autoria dos autores do artigo, editado por Marta Daniela Santos.

Uma equipa de investigadores do cE3c descobriu duas novas espécies de cigarras de Marrocos, cuja descrição foi agora publicada no jornal Zootaxa (*): Tettigettalna afroamissa e Berberigetta dimelodica. A equipa foi liderada pela investigadora cE3c Paula Simões, e a descoberta surge no âmbito do projeto CicadaCon que estuda a diversidade e evolução de cigarras do género Tettigettalna.

Todas as nove espécies de cigarra que se conheciam do género Tettigettalna são endémicas da Península Ibérica – com exceção da Tettigettalna argentata, que se estende até ao sul de Itália. Acreditando que não fazia sentido as cigarras Tettigettalna não ocorrerem do outro lado do estreito de Gibraltar, esta equipa de investigadores realizou uma expedição a Marrocos no verão de 2014.

Embora nenhuma das nove espécies Europeias tenha sido detetada em Marrocos, as observações realizadas nesta expedição permitiram aos investigadores descobrir a décima espécie do género e a primeira a ser encontrada em África. Batizaram-na como Tettigettalna afroamissa – “a perdida em África”. A espécie foi descoberta em bosques mediterrâneos nas montanhas do Rif e Médio Atlas, no norte do País, apresentando uma canção distinta de todas as outras espécies conhecidas.

Partilhando o mesmo habitat, os investigadores descobriram uma outra pequena cigarra até agora desconhecida a que chamaram Berberigetta dimelodica. Gonçalo Costa , primeiro autor do estudo, refere: “Existem peculiaridades interessantes no canto desta nova cigarra. Ela emite um som ao comprimir o seu abdómen que nos recorda o ruído provocado pela flatulência” – como é percetível no vídeo:

Nas espécies de cigarras em geral, apenas os machos cantam de forma a atrair fêmeas para acasalar. As cigarras adultas emergem no Verão e vivem apenas algumas semanas, sendo a maior parte da sua vida (de 3 a 17 anos) passada no subsolo sob a forma de ninfa, alimentando-se das raízes de árvores ou arbustos.

 

Na imagem de destaque, Berberigetta dimelodica. Na imagem seguinte, Tettigettalna argentata. Fotografias de Eduardo Marabuto.

(*)

Costa, G.J., Nunes, V.L., Marabuto, E., Mendes, R., Laurentino, T.G., Quartau, J.A., Paulo, O.S. & Simões. P.C. (2017) Morphology, songs and genetics identify two new cicada species from Morocco: Tettigettalna afroamissa sp. nov. and Berberigetta dimelodica gen. nov. & sp. nov. (Hemiptera: Cicadettini). Zootaxa, 4237(3), 517-544. DOI:10.11646/zootaxa.4237.3.4


Tags: Cobig2

Other Articles

  • Humanos pré-históricos já formavam grupos que viviam redes sociais complexas há 34 000 anos

    Paper Humanos pré-históricos já formavam grupos que viviam em redes sociais complexas há 34 mil anos

  • Todos os caminhos vão dar a...adaptação?

    Paper Todos os caminhos vão dar a...adaptação?

  • All roads lead to... adaptation?

    Paper All roads lead to... adaptation?

  • Artigo com co-autoria de investigadores cE3c destacado pela Web of Knowledge como “Hot Paper”

    Paper Artigo com co-autoria de investigadores cE3c destacado pela Web of Knowledge como “Hot Paper”

  • Ondas de calor podem alterar os impactos do lagostim-vermelho-da-Louisiana, uma das piores espécies invasoras em Portugal

    Paper Ondas de calor podem alterar os impactos do lagostim-vermelho-da-Louisiana, uma das piores espécies invasoras em Portugal