News

ALL NEWS

Os líquenes e a “saúde” dos ecossistemas: estamos mais próximos de um indicador ecológico global

16/01/2017. Texto por Marta Daniela Santos. Comunicado de imprensa cE3c disponível aqui.

Pela primeira vez, é possível integrar à escala global os resultados obtidos através dos dois métodos mais utilizados mundialmente para avaliar a “saúde” dos ecossistemas a partir dos líquenes que neles se encontram. Este é o resultado de um estudo agora publicado na revista Methods in Ecology and Evolution (*), fruto da colaboração entre investigadores do cE3c e do Serviço de Florestas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Este resultado representa um passo fundamental para que este indicador ecológico possa ser considerado à escala global e possa ser incluído na lista de indicadores das Nações Unidas.

Os líquenes são há muito utilizados com sucesso pelos cientistas como indicadores ecológicos – uma espécie de termómetros da saúde do ambiente. Estes seres vivos complexos – as manchas amareladas ou esverdeadas que muitas vezes vemos à superfície dos troncos das árvores – são bastante sensíveis à poluição e a mudanças de temperatura e humidade. Por isso, avaliar quantos líquenes, de que tipo e abundância, encontramos num determinado ecossistema permite aos cientistas compreender qual o impacto de problemas como as alterações climáticas, ou a poluição, nesse ecossistema.

Actualmente são dois os métodos mais utilizados a nível mundial para avaliar a “saúde” dos ecossistemas a partir da análise dos seus líquenes: os métodos Europeu e Norte-Americano (EUA). Só que, por utilizarem regras bastante diferentes para o registo da diversidade de líquenes num dado local, os seus resultados não podem (ou não podiam) ser integrados a uma escala global.

Os autores do estudo agora publicado (entre os quais se encontram os investigadores do cE3c Paula Matos, Pedro Pinho, Alice Nunes e Cristina Branquinho) demonstraram pela primeira vez que é possível integrar os resultados obtidos através dos dois métodos. Este resultado torna possível a partir de agora estudar os padrões globais de biodiversidade de líquenes e, consequentemente, do estado de conservação dos ecossistemas.

O estudo resultou da colaboração entre investigadores da Universidade de Aveiro; do Instituto Superior Técnico e da Faculdade de Ciências, ambas da Universidade de Lisboa; e do Serviço de Florestas do Departamento de Agricultura dos EUA. Os investigadores utilizaram os dois métodos para estudar 28 locais nos Estados Unidos, correspondendo a ecossistemas com características bastante diferentes em termos de nível de poluição, temperatura e humidade. Porque as regras utilizadas pelos dois métodos são diferentes, naturalmente os valores absolutos obtidos são diferentes. Mas os investigadores demonstraram que a interpretação que se pode retirar desse conjunto de valores é a mesma, e desenvolveram uma métrica que permite integrar os resultados de ambos os métodos.

Paula Matos, primeira autora do estudo, explica: “Seria uma tarefa hercúlea convencer os cientistas da Europa e dos Estados Unidos a adotar apenas um dos métodos, ou mesmo a desenvolver um novo método universal. E continuaríamos a ter o problema de analisar os dados do passado.” Este estudo apresenta-se como uma forma de resolver o problema, vindo também ao encontro da necessidade já expressas pelas Convenções das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (UNCBD), Alterações Climáticas (UNCCC) e Combate à Desertificação (UNCCD) de desenvolver um conjunto de indicadores globais para avaliar o impacto das alterações globais nos ecossistemas.

“É preciso avaliar os efeitos das alterações globais, e isso só pode ser feito se tivermos resultados de biomonitorização também à larga escala.”, explica Paula Matos. De seguida os investigadores vão propôr este indicador às Nações Unidas e começar a analisar, com base nesta nova métrica, os padrões passados e futuros dos efeitos das alterações globais nos ecossistemas, a nível global.

 

Press coverage: [methods.blog], [Wilder], [InfoFCUL]; via Lusa - [Notícias ao Minuto]

 

Na fotografia: Icmadophila ericetorum. Fotografia por Paula Matos.

(*) Matos, P., Geiser, L., Hardman, A., Glavich, D., Pinho, P., Nunes, A., Soares, A. M. V. M. & Branquinho, C. (2017) Tracking global change using lichen diversity: towards a global-scale ecological indicator. Methods in Ecology and Evolution. https://doi.org/10.1111/2041-210X.12712


Tags: eChanges ESFE

Other Articles

  • Ondas de calor podem alterar os impactos do lagostim-vermelho-da-Louisiana, uma das piores espécies invasoras em Portugal

    Paper Ondas de calor podem alterar os impactos do lagostim-vermelho-da-Louisiana, uma das piores espécies invasoras em Portugal

  • Heat waves can change the impacts of the red swamp crayfish, one of the world’s worst invasive species

    Paper Heat waves can change the impacts of the red swamp crayfish, one of the world’s worst invasive species

  • Estudar a distribuição geográfica dos cetáceos: é tudo uma questão de escala

    Paper Estudar a distribuição geográfica dos cetáceos: é tudo uma questão de escala

  • Novo estudo reconstrói a evolução das flores ao longo dos últimos 140 milhões de anos

    Paper Novo estudo reconstrói a evolução das flores ao longo dos últimos 140 milhões de anos

  • O sexo importa? Para os morcegos, sim

    Paper O sexo importa? Para os morcegos, sim